AtenasSitio Arqueológico

Sítio Arqueológico de Elefsina

Sítio Arqueológico de Elefsina é um post sobre um passeio bem bacana que meu filho fez através da escola, onde ele estuda desde que chegamos na Grécia. 

Esse passeio foi feito pelo meu filho, Geórgios Mitrogiannis. Nas escolas da Grécia é obrigatório fazerem quatros passeios durante o ano letivo e todos são em museus e/ou sítios Arqueológicos. Elefsina é uma cidade na Grécia que está a cerca de 18 km do centro de Atenas, no Golfo de Salônica.

Sítio Arqueológico de Elefsina

Sítio Arqueológico de Elefsina

Na antiguidade foi uma pequena população de Attica, onde abrigou um templo para a deusa Deméter e sua filha Perséfone. Teve grande importância como o local dos mistérios de Elêusis (ou Eleusis), um dos maiores cultos da antiga Grécia e mais tarde o Império Romano. Também é famosa por ser o berço do grande poeta trágico Ésquilo.

Sítio Arqueológico de Elefsina

Sítio Arqueológico de Elefsina

A atual Elefsina é uma pequena cidade industrial, quase absorvida em sua maior área por Atenas. Está diretamente ligada por ferrovia e rodovia. É um dos principais centros industriais da Grécia, com uma grande atividade de refino de petróleo. Possui um sítio arqueológico e um museu.

Sítio Arqueológico de Elefsina

Sítio Arqueológico de Elefsina

De acordo com a Mitologia Pausanias, a cidade deve o seu nome ao herói Eludis, filho de Hermes e de Daira. Quando a deusa Perséfone, filha de Deméter, foi raptada por Hades, ela veio para Eleusis, onde conheceu Céleo, rei do lugar. Triptolemus, filho do soberano, foi o fundador dos mistérios de Elêusis, culto agrário recebido pela deusa grega, que se espalhou por toda a Grécia e no tempo dos romanos, em todos os domínios da cidade italiana.

Sítio Arqueológico de Elefsina

Sítio Arqueológico de Elefsina

Os primeiros assentamentos datam de 2000 a.C., tornando-se, durante o período micênico, num grande fortificado. É nesta fase que se introduziu o culto de Deméter, divindade relacionada com a natureza e o cultivo de cereais. É evidente a continuidade desse culto à época romana, com a construção de templos sucessivos no lado leste da colina em que a cidade fica.

Sítio Arqueológico de Elefsina

Sítio Arqueológico de Elefsina

No século VIII a.C, o santuário adquiriu um festival Pan-helênico e se tornou um dos mais importantes de Atenas. O tirano ateniense Pisístrato e a população cercou o santuário com uma grande muralha, reforçada por torres. Muitos outros edifícios públicos foram construídos, em seguida, mas a propagação do cristianismo e, acima de tudo, a invasão dos ostrogodos levou ao abandono total do santuário.

Sítio Arqueológico de Elefsina

Sítio Arqueológico de Elefsina

Segundo a tradição, Eleusis foi incorporada a Atenas durante o sinecismo de Teseu. Na verdade, seria datada do final do século oitavo ou início de sétimo a.C. Durante as Guerras Médicas, em 480-479. a.C., foi devastada pelo exército de Xerxes I e o templo de Deméter foi queimado.

Mais uma vez, foi destruída durante a Guerra do Peloponeso, quando Attica foi invadida pelo rei espartano Pleistoanax.

Sítio Arqueológico de Elefsina

Sítio Arqueológico de Elefsina

Em 170 d.C., numa invasão do Império Romano, habitantes da parte norte do Mar Negro, veio à Grécia e destruíram parte do santuário de Eleusis. O povo resistiu à invasão dos bárbaros, e as tropas romanas foram enviadas para finalmente se entregar.

Sítio Arqueológico de Elefsina

Sítio Arqueológico de Elefsina

Pátio Sagrado: era o ponto de encontro dos peregrinos e que concluiu a Via Sacra líder de Atenas a Eleusis. No seu tempo abrigava uma estrutura que data do século VIII. a.C. em que estavam os altares de oferendas à Deusa, e o templo de Artemis e a Propylaea do século II d.C.

Sítio Arqueológico de Elefsina

Sítio Arqueológico de Elefsina

Maior Propylaea: Construída em mármore Pentelic, sua estrutura imita a do Propylaea da Acrópole de Atenas. Foi datada da segunda metade do século II. a.C, a partir de uma inscrição na fachada interna em que os nomes dos imperadores romanos Antonino Pio e Marco Aurélio aparecem.

Sítio Arqueológico de Elefsina

Sítio Arqueológico de Elefsina

Neste último está um busto. Inicialmente, cada um dos lados da Propileus tinha uma fila de seis colunas dóricas. O espaço interior foi dividido em dois quadros separados por uma parede transversal na qual há cinco portas abertas. Na varanda externa, duas filas paralelas de colunas jônicas indicam a direção do santuário.

Sítio Arqueológico de Elefsina

Sítio Arqueológico de Elefsina

Lesser Propylaea: estilo jônica, construída pelo cônsul Ápio Cláudio Pulcher,  foi dedicada à deusa no ano de 54.a.C. Ela consistia de uma espécie de prelúdio para o exterior e uma passarela coberta ladeada por duas cariátides estilo neoático.

Sítio Arqueológico de Elefsina

Sítio Arqueológico de Elefsina

Templo de Deméter: Plutonion são mantidos perto da fundação da Pisistratus. A estátua huyente (Perséfone), exposta no Museu de Eleusis, talvez pertencesse a este templo.

Sítio Arqueológico de Elefsina

Sítio Arqueológico de Elefsina

Telesterion: era um recinto com várias entradas e oito fileiras de assentos em todos os quatro lados. Lá eram iniciados os mistérios para se participar dos rituais. No centro ficava o megaron, que só poderia ser acessado pelos anciãos (sacerdotes) para executar os ritos mais secretos. Os restos mostram várias intervenções arquitetônicas entre os séculos século V e o segundo século a.C.

Sítio Arqueológico de Elefsina

Sítio Arqueológico de Elefsina

Arcos do Triunfo: Foram erguidas na frente da Propylaea a partir do ano 129 a. C.

Bem Calíchoron: o lugar era, de acordo com Homero, onde Deméter tinha descansado em sua primeira visita a Eleusis. Durante as celebrações em honra da deusa das mulheres dançavam ao redor do poço. É datado na primeira metade do século a. C.

Sítio Arqueológico de Elefsina

Sítio Arqueológico de Elefsina

Plutonion: Era uma gruta reverenciada como a porta de entrada para o mundo dos mortos. Tinha um muro de contenção em torno de uma gruta onde, segundo a tradição, tinha aparecido Plutão, deus do submundo. Aqui teve lugar uma representação da declaração anual de Perséfone à terra. Sua data é entre o sexto e o quarto séculos a.C.

Sítio Arqueológico de Elefsina

Sítio Arqueológico de Elefsina

A Cidade: Um fragmento de uma inscrição do segundo semestre IV. a.C., contém referências à reparação dos muros e edifícios do santuário. Esta descoberta, publicada por Kourouniotis em 1932, permitiu identificar as partes da topografia urbana, tais como portas e as ruas principais. Estas escavações foram conduzidas por Kourouniotis, e mais tarde por G. E. Mylonas e J. Travloss.

Sítio Arqueológico de Elefsina

Sítio Arqueológico de Elefsina

No oeste da Acrópole foram encontradas ruas, restos de casas e cisternas. A encosta norte da colina ainda revelou uma vizinhança com pequenas casas, algumas esculpidas na rocha.

Sítio Arqueológico de Elefsina

Sítio Arqueológico de Elefsina

Perto da estrada que leva ao cemitério, Megara era mais importante do que Mylonas, Em 1952, começou-se uma escavação encomendada pela Sociedade Arqueológica grea. Entre 1954 e 1956 veio à tona 312 túmulos, alguns dos quais, datam do período micênico. Os túmulos estão espalhados ao longo de um período cronológico que vão desde os primeiros tempos geométricos para helenística e romana.

Fonte Wikipedia
Foto de Γεωργος Μητρογιαννης

Até a próxima! 🙂

Post anterior

Porto de Pireus

Próximo post

Sítio Arqueológico em Corinto

Virna Lize

Virna Lize

Sou brasileira e moro na Grécia desde 2008. Tenho como objetivo mostrar para todos que visitar a Grécia é possível, desde que tenha um bom planejamento. Organizo viagens para este maravilhoso país através de Roteiros Personalizados, além de oferecer serviço de Acompanhamento.

Comentários do Facebook


1 Comentário

  1. 26 de outubro de 2009 as 15:53 — Responder

    Infelizmente não tive a oportunidade de visitar as ruínas arqueológicas de Elefsina. Quando lá fui estava fechado. As fotos estão muito boas!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *